minha vida sem mim

imagem_cinema

“O que você faria se descobrisse que tem apenas alguns meses de vida?”

Praticamente todo mundo já pensou sobre essa pergunta. Algumas pessoas responderiam com grandes atos, como viajar, mudar a vida radicalmente; outras talvez decidissem fazer pequenas coisas, coisas que sempre tiveram vontade de fazer mas que ficaram sempre pro “depois”. Ann, a protagonista de Minha Vida Sem Mim, faz uma lista humilde. Inclui mudanças estéticas, como “unhas falsas, talvez”, e ações marcantes como “visitar meu pai na prisão”. Mas ela não escreve nenhum item do tipo “pular de pára-quedas”. Ann é pé no chão.

mylife

O perigo de um filme-de-doença-terminal é transformar a questão numa choradeira sem fim, fazendo o espectador se acabar em lágrimas no nível mais superficial possível. Um dos grandes méritos de Minha Vida Sem Mim é justamente escapar do melodrama fácil. Quando Ann recebe a notícia de que tem um câncer terminal, a sua primeira reação é de surpresa: “E eu achando que estava grávida”. Ela chora, mas sem som algum. Em nenhum momento ela parece pedir que a gente sinta pena dela.

E pena a gente pode sentir. Ann, 23 anos, duas filhas, morando com a família num trailer nos fundos da casa da mãe. Mas Ann se recusa a ser vítima, assim como ela se recusa a contar a notícia aos familiares. Ela coloca as unhas falsas; ela visita o pai; ela inclusive faz alguém se apaixonar por ela (o último item da lista). E mesmo com pouco tempo de vida ela sabe que seria muito egoísmo fazer simplesmente o que tem vontade, sem pensar nas consequências. “Dizer o que penso” é outro item na lista, mas ela vai modificando sua atitude, até mesmo sem perceber, para “elogiar as pessoas quando elas merecem”. É uma mudança delicada e inspiradora – eu sempre quis que as pessoas elogiassem mais as outras.

Mas o maior trunfo da diretora Isabel Coixet é sua protagonista. Sarah Polley, que nos anos 90 foi uma espécie de “princesinha indie” (e hoje em dia é uma brilhante diretora), sabe muito bem escolher seus papéis. Nas mãos dela, Ann é forte e frágil ao mesmo tempo; decidida e carente. Ela transforma o seu segredo – o fato de não contar a ninguém sobre sua doença – em sua força motora. É uma atuação fenomenal, que eleva tudo à sua volta.

Minha Vida Sem Mim é surpreendentemente leve. Não vai te deixar em frangalhos, e nem quer. As lágrimas, quando surgem, são merecidas. É um pequeno grande filme.

 Minha Vida Sem Mim (My Life Without Me), um filme de Isabel Coixet

106 minutos \ Espanha e Canadá \ 2003

Anúncios

Tags: , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: